COMO INICIAR UMA REVOLUÇÃO (HOW TO START A REVOLUTION)

Como iniciar uma revolução - Gene SharpNo mundo inteiro as pessoas estão lutando contra a tirania. A obra de um homem ajudou a libertar milhões de pessoas. “Meu nome é Gene Sharp. E esse é o meu trabalho. Eu tento entender a natureza e o potencial de formas de luta não violenta para derrubar ditaduras.” Gene Sharp é considerado por analistas o maior especialista do mundo em revolução não-violenta. Escreveu um livro para derrubar ditaduras. Contém uma lista com 198 armas não violentas. “Não sabemos como o livro se espalhou mas aconteceu. Ele existe em mais de 30 línguas, em diferentes locais do mundo,  em todos os continentes exceto a Antártida.”

Áudio: inglês

Legendas: português br

Anúncios

MUNDO TEM QUASE UM BILHÃO DE MISERÁVEIS

“Segundo o relatório, 8,7% dos habitantes da América Latina e do Caribe viviam com o equivalente a um dólar por dia em 2004, uma queda de apenas 0,9 ponto percentual em relação ao levantamento anterior, em 1999. Em 1990, o percentual era de 10,3%. O principal problema da América Latina é a desigualdade de renda, que ainda é a maior do mundo.”

Fontes: 
http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL62461-9356,00.html

http://www.cartacapital.com.br/carta-na-escola/um-bilhao-de-famintos/

Via Facebook de ‘Uma Outra Opinião’

O NEGRO NA LITERATURA BRASILEIRA: a necessidade de um novo paradigma de crítica social e literária.

por ROSÂNGELA BOYD DE CARVALHO *

A história da África e seus habitantes, especialmente os que foram trazidos para o Brasil como escravos e seus descendentes, ou seja, todos nós, transformou-se, ainda que tardiamente, em componente curricular obrigatório. Talvez não a obrigatoriedade mas o privilégio de saber sobre o continente africano devesse nos impulsionar a descobrir mais sobre uma terra tão íntima e ao mesmo tempo estranha, próxima e distanciada.

Há mesmo quem chegue a pensar que a África é um país e não um continente. E normalmente esse país é pensado como um lugar onde habitam povos “primitivos” que vivem em tribos em meio à floresta cheia de animais selvagens. (ADINOLFI, 2005: p.1)

Estes e outros estereótipos encontram-se amplamente divulgados pelos meios de comunicação e pelo próprio sistema educacional, ainda representando extensões do pensamento europeu do final do século XIX, até então considerado científico, mas que veiculou informações menos científicas do que ideológicas sobre o continente africano, a fim de justificar o sistema de dominação colonial.

Forjou-se um conceito de raças humanas pressupondo uma hierarquia em cujo topo estava, evidentemente, o branco (caucasiano). Na base estariam os povos africanos e outros de pele escura, como os aborígenes australianos, vistos como “incapazes”, “preguiçosos”, “atrasados”, “selvagens” que só poderiam ser salvos pela ação da colonização européia. (Idem, Ibdem)

O outro lado da moeda que estampa o africano incapaz e atrasado revela o branco superior e desenvolvido. A teia de conceitos confunde ciência com ideologia, individualidades com estereótipos, verdades com vontades, onde se tece uma outra forma de cativeiro: a escravidão simbólica que irá castigar incansavelmente a auto-estima dos afrodescendentes.

O texto literário do século XIX, ansioso por configurar nossa identidade nacional, deixa escapar as contradições de uma sociedade que deseja acompanhar os modelos da modernização européia, beneficiando-se ainda da herança nefasta da escravidão. (SCHWARZ, 1990) A literatura oficial brasileira, acompanhando o modelo social hierarquizado, teria desprestigiado as atuações das etnias diferenciadas até o início do século XX, à exceção de Lima Barreto e Solano Lopes que, mesmo assim, só bem mais tarde receberam algum reconhecimento. A representação dos negros na literatura ficaria restrita a alguns estereótipos, entre os quais, aqueles do negro dócil, castigado, submisso, ou, por outro lado, bestial, instintivo, carnal. Assim, ocorreu um processo que substituiu a invisibilidade por uma visibilidade estereotipada, que felizmente existiu para que pudesse ser desmentida, tal como aparece em Solano Trindade ao revelar o homem negro como um ser humano em sua complexidade, sujeito de uma escritura:

Eu tenho orgulho de ser filho de escravo…
Tronco, senzala, chicote,
Gritos, choros, gemidos,
Oh! que ritmos suaves,
Oh! Como essas coisas soam bem
nos meus ouvidos…
Eu tenho orgulho em ser filho de escravo.

No entanto, a literatura encontra-se povoada por estereótipos de todas as cores: desde o Gaúcho de Alencar, que cavalgava pelos pampas sem subjetividade, à donzela pálida e assexuada, passando pelo índio homenageado por bom comportamento, o português rústico, o sertanejo jeca ou o nordestino retirante. Quanto à representação do negro, identificam-se dois grupos de autores: um deles representando os personagens negros a partir de estereótipos que apenas reproduziriam o modelo social hierarquizante; e um outro que busca subverter essa representação. Porém, talvez seja impróprio compará-los e, principalmente, cobrar dos primeiros o amadurecimento de uma consciência étnica e crítica que se construiu a partir de um processo histórico e estético que apenas o segundo grupo vivenciou.

Então, podemos indagar: Quando os negros participam da produção literária em forma de estereótipo, não seria possível encontrar do outro lado dessa moeda desvalorizada o branco também preso ao seu próprio estereótipo? Ah! Mas aí seria um estereótipo positivo, já que o europeu seria representado como o Senhor, como aquele que segura o cabo do chicote. No entanto, se compreendemos essa representação como “positiva”, não estaríamos compartilhando o mesmo ideário, a mesma concepção eurocêntrica que preparou tais dicotomias? Será que a concepção da negritude é uma capacidade epitelial?

Talvez esse sentimento dependa menos da origem do que da capacidade de duvidar de verdades construídas para proteger interesses, ou da vontade de verdade ocidental, que engendrou conceitos como raça, pureza, desenvolvimento etc. (NIETZSCHE, 1992) No entanto, reproduzir a ideologia dominante não caracterizaria necessariamente uma literatura não-negra, mas uma literatura não-crítica. Mas isso é igualmente uma classificação imprópria, principalmente se levarmos em consideração que os silêncios do texto também significam algo; que nós podemos detectar o que foi silenciado, como detectamos o silenciamento dos personagens negros, de seu aprisionamento em estereótipos, do mesmo modo que podemos observar o sacrifício e o sofrimento de Peri e Iracema, por mais que Alencar desejasse afirmar a harmonia do encontro entre o colonizador e o índio, ou tapar o sol com a peneira, como diz o ditado popular.

Uma outra personagem feminina, desta vez não uma índia mas uma mulata, teria recebido um tratamento inadequado pelo poeta Gregório de Matos. É em relação ao tratamento dispensado à mulher que o poeta estabelece uma nítida distinção entre as raças. Assim, ele retrata a mulher branca como um ser angelical – anjo no nome, angélica na cara – para deixar patente a sua inacessibilidade como ser superior, enquanto a visão que projeta da mulher negra corre em direção contrária, de modo que o rebaixamento no seu tratamento contrasta com a divinização emprestada à mulher branca. Daí, enquanto Maria é definida como santa, anjo ou deusa, à personagem Jelu não seria dispensado tratamento semelhante, restando-lhe os atributos que pertenceriam ao “sórdido”, “impuro” ou “bestial”:

Jelu, vós sois rainha das mulatas.
E, sobretudo, vós sois rainha das putas.
Tendes o mando sobre as dissolutas
Que moram nas quitandas dessas gatas.

Assim, em contraste com a visão de amor platônico retratada no soneto que Gregório dedica a Maria, Jelu é transfigurada, sem a menor cerimônia, em gata dissoluta. (NASCIMENTO, 2006:p.59) Portanto, o poeta seiscentista ainda não transgride uma concepção de mundo baseada em dicotomias e hierarquias. No entanto, observando isso, poderíamos nos perguntar se tal paradigma classificativo é facilmente superável.

Afinal, quando um determinado paradigma de escolha nos incomoda – carnal em vez de espiritual, pureza em vez de luxúria, bestial em vez de humano, puta em vez de santa –, isso significa que ainda estamos operando nos termos de seu modelo dicotômico e hierarquizante, ou seja, que não superamos ainda a velha cartilha do pensamento ocidental que classificou os africanos como inferiores, incapazes e feios, enquanto ressaltava a inteligência, a beleza e a superioridade do europeu.

No fundo, o que efetivamente nos incomoda é a possibilidade de sermos identificados como pertencentes aos “impuros” ou “inferiores”, mas não propriamente a existência do modelo cultural que opera com dicotomias. Ora, pensando ou sentindo nesses termos, embora não conscientemente, o trabalho de crítica não está livre de reproduzir a mesma concepção de mundo daqueles que, antes de escravizarem os africanos, escravizaram os paradigmas de verdade e autoproclamaram-se modelos de excelência cultural, social ou racial.

Referências

ADINOLFI, Maria Paula Fernandes. Africanidade: diversidade e unidade nas sociedades africanas. In Cartilha do Museu Afro-brasileiro. Salvador: CEAO/UFBA, 2005. p.1

NASCIMENTO, Giselda Melo. O negro como objeto e sujeito de uma escrita. Londrina: UEL, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas cidades, 1990.


* ROSÂNGELA BOYD DE CARVALHO é Mestre em Literatura Brasileira pela UFF; Pós-Graduada em Cultura e Literatura Africana pela UCB; Profª. Titular de Literaturas na Faetec e Feuduc. Publicado na REA, n76, setembro de 2007, disponível em http://www.espacoacademico.com.br/076/76carvalho.htm

LIVROS ACADÊMICOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS e HUMANAS

Livros Acadêmicos CIÊNCIAS SOCIAIS – Download (Clique)

Livros de Humanas (Clique)

Obras estão disponíveis para download gratuito. Livros fazem parte da coleção da Cultura Acadêmica, braço da Editora da UNESP


 A UNIVERSIA/UNESP Universidade Estadual Paulista (UNESP) está disponibilizando títulos acadêmicos em formato digital para download gratuito. 

À GUISA DE UMA INTRODUÇÃO PESSOAL…

 Salut.

Depois de alguma ‘guerra’, licenciei-me plenamente em Ciências Sociais pela FCL – Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, campus de Araraquara/SP, ao final de 1999. Em 2003, frequentei a especialização em História, Sociedade e Cultura na PUC/SP e, em seguida, o mestrado como aluno ouvinte e, logo, como especial na mesma instituição em Educação: História, Política e Sociedade – EHPS.

Deveras o sabor de novos ares e ambiente ser muito apreciado por mim, infelizmente a ‘refeição’ desse conhecimento foi interrompida: as velhas e conhecidas companheiras que atendem pelo nome de contingências financeiras se atreveram desafiar a continuidade de ‘minha guerra’. Como professor de instituições privadas de ensino superior e de escolas, particulares e públicas de ensino fundamental e médio, a obrigação do sustento familiar e até do deslocamento para o trabalho prevaleceu.

“Uns passarão, outros passarinho…” E meu voo continuou.

Agora também numa Universidade Pública, primeiro como designado, depois como efetivado: veio a UEMG de Frutal. Novas esperanças, velhos ranços (políticos, sobretudo!), 2006 veio e mais um passo consegui: a especialização em Gestão e Exercício da Docência no Ensino Superior. Lacunas de minha atuação e conhecimento foram, dentro do possível, preenchidas.

Novas batalhas, sobretudo em função da busca pessoal por uma dissertação e, doravante, de uma tese (e exclamo: para satisfazer um desejo pessoal, embora o pragmatismo da titulação seja um imperativo categórico que muitas vezes não servirá de lastro para o amor ao ato de buscar conhecimento e de educar!), novas batalhas ainda precisam ser travadas. Mas as ‘amigas’ contigências financeiras sempre dão o ar da graça! Meus dois filhinhos, que moram longe de mim na companhia de sua mamãe, já se posicionaram duramente: não gostam dessas minhas amigas. Elas não me deixam buscar meu desejo pessoal.

E assim, aqui na UEMG, vamos travando a ‘peleia’ de uma forma sustentável, mas que ano após ano diminui nosso fôlego para continuar.

Em julho de 2008, em Tomar (foto: rua da Sinagoga com Convento de Cristo ao alto), terras portuguesas acima de Santarém e abaixo de Coimbra, num congresso da APDR – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional, pude presenciar que os empecilhos dessa nossa vida são universais. Os mundos interagem, mas agora espero que para melhorar nossas vidas, e não diminuir nosso fôlego!

Rua da Sinagoga - Convento de Cristo ao alto - Tomar/Portugal

Novo desafio, neste ano, na construção da tessitura do real: eis a OSCIP Oika Tecnologia & Inovação brotando… Um outro mundo é possível!

Enquanto isso, este espaço talvez me ajude a dissipar as armas da vida e reencontrar o encanto da esperança e do diálogo em virtude de um humanismo compartilhado, o que a Universidade não mais consegue, pelo menos para mim, oferecer na totalidade que deveria ser plausível.

E ainda é inverno…