MUNDO TEM QUASE UM BILHÃO DE MISERÁVEIS

“Segundo o relatório, 8,7% dos habitantes da América Latina e do Caribe viviam com o equivalente a um dólar por dia em 2004, uma queda de apenas 0,9 ponto percentual em relação ao levantamento anterior, em 1999. Em 1990, o percentual era de 10,3%. O principal problema da América Latina é a desigualdade de renda, que ainda é a maior do mundo.”

Fontes: 
http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL62461-9356,00.html

http://www.cartacapital.com.br/carta-na-escola/um-bilhao-de-famintos/

Via Facebook de ‘Uma Outra Opinião’

ATENAS ARDE EM PROTESTOS CONTRA POLÍTICA DA “TROIKA”

 A Grécia viveu neste domingo os mais violentos protestos dos últimos meses contra as políticas impostas ao país pela chamada “troika” (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia). Em meio a violentos protestos, o parlamento grego aprovou um novo “pacote de austeridade”, que resultará em milhares de demissões e cortes de gastos públicos. No início da noite, vários prédios históricos de Atenas estavam em chamas e os manifestantes enfrentavam a polícia com pedras e coqueteis molotov.

Dezenas de milhares de pessoas compareceram à maior manifestação em Atenas contra a austeridade e os cortes de gastos públicos aprovados neste domingo no parlamento grego. A multidão dispersou da Praça Syntagma quando a polícia a atacou com gás lacrimogêneo, mas muitos grupos permaneceram no centro de Atenas enfrentando a polícia com pedras e coqueteis molotov. 

Manolis Glezos, o herói da resistência grega ao nazismo e membro do Syriza, perguntava à imprensa “como é possível implementar estas medidas com gás lacrimogéneo?”. “Elas não têm o voto do povo grego”, acrescentou este militante de 90 anos, ainda com a máscara de gás colocada e dificuldade em respirar.

Outro veterano nesta manifestação contra o governo da troika foi o compositor Mikis Theodorakis. Foi quando se preparava para dirigir à multidão na Praça Syntagma que a polícia começou a disparar o gás lacrimogêneo. Aos microfones duma rádio grega, uma porta-voz de Theodorakis acusou a polícia de “tentativa de assassinato” por ter tentado deliberadamente atingir o compositor de 86 anos. Em declarações aos jornalistas, Theodorakis afirmou-se confiante que “o povo vencerá”, tal como aconteceu contra os nazis e a junta militar.

Todo o centro de Atenas ficou sob a nuvem do gás policial e os focos de incêndio estão também disseminados, com os confrontos sem fim à vista. Ao fim da tarde, estavam encerradas quatro estações de metrô no centro de Atenas por ordem da polícia. O líder sindical do metrô disse que os trabalhadores não viam razões para o encerramento e que a intenção da polícia era impedir as pessoas de chegarem à Praça. Entretanto, a outra manifestação da tarde, convocada pela central sindical PAME, dirigia-se para a Praça Syntagma.

Dentro do Parlamento, o debate teve início depois das 15h, com o ministro das Finanças tentando explicar aos deputados a pressa para aprovar a proposta até à meia noite de domingo. Um deputado independente questionou o parlamento sobre se tinha a certeza do que estava para ser votado, quando há várias falhas no documento, incluindo partes em que aparece “XX” em vez do número da quantia a que se refere.

O dia parlamentar também foi marcado pela tomada de posse de alguns deputados, em substituição daqueles que se demitiram em protesto contra o pacote de austeridade que vai reduzir o salário mínimo, despedir milhares de funcionários públicos e cortar ainda mais na Saúde e gastos sociais. Mas há casos em que o substituto, em vez de vir apoiar o governo cada vez mais frágil, toma posse para votar contra o seu partido. É o que acontece à atriz Anna Vagena, da lista do PASOK.

No sábado, era já conhecida a oposição de mais de dez deputados do PASOK, que se tem afundado nas sondagens nos últimos meses, e mesmo da Nova Democracia, incluindo o líder parlamentar e os deputados responsáveis pelos assuntos da Defesa e do Interior. A extrema-direita do LAOS, que retirou o apoio ao Governo de Lucas Papademos, também votará contra, à exceção dos seus antigos ministros.

Publicado originalmente em Carta Maior (Dom. 12.02.2012)

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=19605

É PRECISO REIVENTAR A POLÍTICA. Entrevista de Francisco de Oliveira

Inesc: Quais são os princípios fundamentais que devem ser levados em conta para a construção de uma agenda alternativa de desenvolvimento?

C.O: A questão fundamental é como reinventar a política. A política hoje é um espaço de irrelevância que os movimentos sociais não alcançam. Os partidos políticos foram engolfados por essa irrelevância da política e a cidadania não pode atuar. A política é a invenção grega mais eminente porque é através dela, e não pela economia, que você corrige as distorções sistêmicas. Quando a política fica anulada, os cidadãos perdem a importância. Então, é preciso reinventar a política. Essa reinvenção tem que partir dos próprios cidadãos, de suas organizações, para poder fazer com que a política seja de novo o elemento da transformação, pois agora ela não é.

“(para construir uma agenda alternativa de desenvolvimento) é preciso, primeiramente, reiventar a política, para poder fazer com que a política seja de novo o elemento da transformação, pois agora ela não é”

 

Inesc: O senhor fala, então, no esvaziamento da política e no predomínio da questão econômica?

C.O: Exatamente isso: há uma colonização da política pela economia. Isso torna a política irrelevante porque a economia – capitalista, evidentemente, que é a que conhecemos, na qual vivemos – obedece a constrangimentos muito fortes. A economia não tem espaço para a ação cidadã porque é o reino da propriedade privada. Enquanto a política, não. Por isso a política deve controlar a economia. Quando isso não acontece, o desastre é quase fatal.

“A economia não tem espaço para a ação cidadã porque é o reino da propriedade privada. Enquanto a política, não”

Inesc: Como o senhor vê essa situação, que se mantém no segundo  governo Lula, de termos uma política econômica alimentada pela idéia hegemônica de que não há outra alternativa?

C.O: Eu vejo de uma forma muito pessimista. O governo Lula já foi engolfado; não é que ele será, ele já foi engolfado e está submetido a esses constrangimentos. E, ao contrário de reagir, ele ajuda: é um barco remando a favor da maré. Portanto, o governo fica nesse terreno entre vender produtos brasileiros no exterior, virando garoto-propaganda por excelência do Brasil, combinando com a venda de políticas assistencialistas, que tomam o lugar da política.

 

“O governo Lula já foi engolfado; não é que ele será, ele já foi engolfado e está submetido a esses constrangimentos”

Inesc: Qual papel deve ter, então, o campo social, as organizações sociais, nesse contexto, visando à construção de uma agenda alternativa de desenvolvimento?

C.O: O primeiro papel é o de inventar formas novas de atuação, formas novas de organização e associação na própria sociedade para poder intervir. Isso é uma tarefa complicadíssima porque o capitalismo contemporâneo tem, talvez, mais do que no passado, elementos de coerção sobre os indivíduos e sobre as organizações que lhes retiram quase todo o poder de intervenção. É uma tarefa árdua, longa, mas tem que ser feita. Eu não sou otimista porque a minha idade também já me leva mais para o campo dos profetas apocalípticos.

Inesc: Como é que o senhor vê o papel da mídia na construção da idéia hegemônica  de que não há um caminho alternativo à atual política econômica?

C.O: Eu não vejo com nenhum otimismo. A grande mídia, quer dizer, a que penetra nos lares, a que forma as cabeças, as opiniões, essa está a favor da privatização da vida, a favor da irrelevância da política. Veja bem: durante o primeiro mandato de Lula, houve a chamada crise do mensalão, escândalo de corrupção que atingiu membros eminentes do governo. Sem entrar no mérito se eram ou não, o que se notava na mídia era o seguinte: todos os âncoras mais radicais, aqueles mais radicais na crítica ao governo, até os âncoras mais soft,  toda a imprensa escrita e falada batia numa tecla “essa crise política não pode afetar o desempenho da  economia”.  Isto é tudo sobre a irrelevância da política. Uma crise política que não afeta a economia não vale a pena.

 

Publicado em INESC

http://www.inesc.org.br/equipe/ivonem/entrevistas-pensando-uma-agenda-para-o-brasil/entrevistas/e-preciso-reiventar-a-politica