FALAS DE UMBERTO ECO EM ENTREVISTA (Parte 2)

 UMBERTO ECO, principal escritor e romancista vivo da Itália, que completa 80 anos na quinta próxima, 5 jan. 2012. Pra quem gosta e/ou transita pela Comunicação, Semiologia, História, Literatura, Cultura, Política…

“Comecei a escrever ficção nesse contexto de restauração da narratividade, chamado de pós-modernismo. Sou considerado um autor pós-moderno, e concordo com isso. Vasculho as formas e artifícios do romance tradicional. Só que procuro introduzir temas que possam intrigar o leitor: a teoria da comédia perdida de Aristóteles em ‘O nome da rosa’; as conspirações maçônicas em ‘O pêndulo de Foucault’; a imaginação medieval em ‘Baudolino’; a memória e os quadrinhos em ‘A misteriosa chama’; a construção do antissemitismo em ‘O cemitério de Praga’.”

“O romance é a realização maior da narratividade. E a narratividade conserva o mito arcaico, base de nossa cultura.”

“A força da narrativa é mais efetiva do que qualquer tecnologia.”

“Nada acontece imediatamente na literatura. É preciso esperar um pouco. Devem certamente existir Tolstóis e Flauberts por aí.”

“Há bons autores medianos na Itália. Nada de genial…” / “Hoje romance virou uma atividade diletante” (sobre a crise econômica na Itália) / “É diferente do que ocorre nos Estados Unidos, aindaum polo emissor de ótima ficção e da profissionalização dos escritores.” / ” A França, infelizmente, experimenta uma certa decadência literária, e nada de bom apareceu nos últimos tempos.” / “O mesmo parece se passar com a América Latina. Já vão longe os tempos do realismo fantástico de García Márquez e Jorge Luis Borges. Nada tem vindo de lá que me pareça digno de nota.”

“O Brasil é um país incrivelmente dinâmico.” / “Imagino que hoje em dia o Brasil esteja completamente transformado. Não tenho acompanhado nada do que se faz por lá em literatura.

SOBRE CRÍTICA A DAN BROWN, de “O Código Da Vinci”: “O Dan Brown me irrita porque ele parece um personagem inventado por mim. Em vez de ele compreender que as teorias conspiratórias são falsas, Brown as assume como verdadeiras, ficando ao lado do personagem, sem questionar nada. É o que ele faz em O Código Da Vinci. É o mesmo contexto de O pêndulo de Foucault. Mas ele parece ter adotado a história para simplificá-la. Isso provoca ondas de mistificação. Há leitores que acreditam em tudo o que Dan Brown escreve – e não posso condená-los.”

” Eu tanto posso escrever um romance a partir de uma pesquisa ou um ensaio que eu tenha feito.” / “Nada impede que uma teoria nascida de uma obra de ficção redunde em outra ficção.”

“Não sei por que vocês jornalistas estão sempre fazendo perguntas (risos).”

“Nos anos Berlusconi, desde 2001, os italianos viveram uma fantasia, que conduziu à decadência moral. Os pais sonhavam com que as filhas frequentassem as orgias de Berlusconi para assim se tornarem estrela da televisão.”

“Coleciono livros e ouço música pela internet. Tenho encontrado ótimas rádios virtuais. Estou encantado com uma emissora que só transmite música coral. Eu toco flauta doce.”

ENTREVISTA COMPLETA: 

http://revistaepoca.globo.com/ideias/noticia/2011/12/umberto-eco-o-excesso-de-informacao-provoca-amnesia.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s